(21) 2510-3282      contato@paulapereiraurologia.com.br    |   

Como acontece a fratura peniana?

Como acontece a fratura peniana?

A fratura peniana não é comum, mas existe. Estudos apontam que um em cada 100 mil homens sofre esse tipo de traumatismo, mas tudo indica que também há casos não são reportados por timidez ou constrangimento.

A fratura acontece quando o pênis está completamente ereto e é abruptamente pressionado de forma que o órgão dobre ao meio - geralmente em consequência de um acidente durante a relação sexual ou durante a masturbação. Na verdade, não se trata de uma fratura exatamente, já que o pênis não possui ossos. A lesão consiste no rompimento dos corpos cavernosos do pênis, responsáveis pela ereção. 

Diagnóstico e Sintomas

O problema é facilmente diagnosticado, pois os sintomas são bem claros. No momento da fratura, pode-se ouvir um barulho semelhante ao de um estalo. Em seguida, o homem sente uma dor muito forte, o pênis perde a ereção, adquire hematomas azulados e fica inchado junto com o saco escrotal. Se a lesão afetar também a uretra, um dos sintomas é o aparecimento de sangue ao urinar.

Como é um caso de emergência, o paciente deve ser encaminhado ao pronto-socorro imediatamente. Lá, os médicos devem submetê-lo a um exame clínico, raio-X, cavernosografia e uretrocistografia para confirmar a fratura. Se houver suspeitas de lesão na uretra, também pode ser necessário uma cistoscopia. 

A negligência em relação a este primeiro atendimento deve trazer complicações como curvatura e/ou deformidade permanente do pênis, dor nas relações sexuais e até disfunção erétil por conta de má cicatrização.

Tratamento

O tratamento depende da gravidade e da localização exata da fratura, mas normalmente uma cirurgia é o suficiente para reparar os tecidos rompidos. Quanto mais cedo é realizado o procedimento, melhor será o pós-operatório - com internação hospitalar máxima de apenas uma semana, inclusive. No entanto, se a fratura for discreta, apresentando somente alguns hematomas, o médico deve prescrever receitas de antibióticos, anti-inflamatórios e alguns medicamentos para inibir a ereção involuntária durante à noite, além de indicar cuidados que incluem compressas de gelo na região afetada e jejum de contato íntimo por até 6 semanas. 

Fonte: Medical Site

03 de Outubro de 2019