(21) 2510-3282      contato@paulapereiraurologia.com.br    |   

Novembro Azul – Juntos contra o câncer de próstata!

A História

Em novembro de 2003, surgia um movimento na Austrália que se convencionou chamar de “Movember”: “moustache” (bigode) + “november” (novembro). O evento foi marcado por homens que deixaram seu bigode crescer em prol de uma causa muito nobre: a saúde masculina. A ideia era chamar atenção especialmente para o câncer de próstata. Teria o Movember inspirado o mundo inteiro, mas, no Brasil, o Instituto Lado a Lado pela Vida criou o Novembro Azul em meados de 2011, a fim de promover ações de esclarecimento sobre a doença no país.

A doença: sintomas e prevenção

Excluindo os tumores de pele, o câncer de próstata é o mais fatal e comum na população masculina acima dos 50 anos e com histórico familiar. É a segunda causa de morte por câncer nos países desenvolvidos e a razão de 13 mil óbitos por ano no Brasil. Não costuma apresentar sintomas na fase inicial e tem progressão lenta. Somente nos estágios mais avançados começam a aparecer as dores nas costas, nas pernas e nos quadris por conta da disseminação da doença para os ossos. Também é comum a ocorrência de hiperplasia - condição benigna que caracteriza o aumento da próstata. Além da diminuição da força miccional, vontade maior e mais frequente de ir ao banheiro e sensação constante de bexiga não esvaziada. Com características variáveis, o câncer de próstata pode se comportar de forma mais ou menos agressiva, estar localizado apenas na próstata ou espalhado em outros órgãos.

Até o momento, não há esclarecimento sobre medidas de prevenção. Sabe-se, apenas, que o envelhecimento é o principal fator de risco. Mas como em qualquer tipo de neoplasia, alimentação desregrada e rica em gordura, sedentarismo e obesidade contribuem para o surgimento do quadro. 

O impacto do diagnóstico precoce 

Quando a doença é detectada em fase inicial, a chance de cura ultrapassa os 90%. O impacto na lida com o câncer de próstata é mesmo através do diagnóstico precoce. Neste cenário, dois exames são essenciais: a dosagem no sangue do PSA e o toque retal.

O PSA (Antígeno Prostático Específico) é uma proteína encontrada no tecido prostático, no sêmen e na corrente sanguínea. Os níveis dessa proteína se alteram em casos específicos, como em infecções, no aumento da próstata ou no próprio surgimento do câncer. A confirmação só vem mesmo com o toque retal. Atualmente não há nenhum outro exame com a mesma eficácia. Se depois deste exame houver suspeita de câncer, a biópsia dá o diagnóstico final. 

O tratamento personalizado

O tratamento depende do desenvolvimento do tumor em cada pessoa. Cirurgia, radioterapia, hormonioterapia, quimioterapia e acompanhamento médico são as primeiras medidas, mas a terapia é individualizada e busca atingir o câncer sem agredir o paciente. De qualquer forma, o diagnóstico precoce ainda é a melhor chance de cura, por isso urge conscientizar e alertar a população sobre o Novembro Azul. Faça sua parte!

21 de Novembro de 2019

Paula Pereira Henriques - Doctoralia.com.br